sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Teologia da libertação

 No final de 1970, um cartaz que foi distri buído em um país da América Cen tral mostrava uma imagem de Cristo pendurado em u ma cruz com um soldado da guerr ilha sobrepor sobre o seu corpo, os braços estendidos.   Este cartaz cri ado um alvor  oço nas Américas por causa de sua mensagem religiosamente político   .. Essa mens agem de Cristo com parado a um guerrilheiro lutando pela libertação de seu povo não foi bem rec ebida   O ca rtaz, no en tanto, que se reflecte uma nova idéia que estava se form ando na Am érica Latina - a teologia da libertação.
            Em 1962, o Pap a João XXIII conv ocou o Co ncílio Vaticano II (Vaticano II) para tentar se adaptar a mensagem cristã para um mu ndo moderno,   Dur ante a conferência, a igreja redefiniu o seu papel; a igreja estava agora a ser v isto como "Povo de  Deus." - uma comunidade de pessoas com diferentes dons, mas todos compartilha ndo a igu aldade c omum, humanidade e destino aos olhos de Deus   Vaticano II pediu a igr eja para se envolver  mestrado em teologia com as lut as dos pobres; se a igreja adotou um papel humilde, os pobres pod eriam ser alcan çados de forma mais eficaz  A Conferência rejeitaram a idéia de que a igreja deve alinhar-se com a pode rosa elite  e afirm ou a impo rtância de um mundo mais justo. [  Apesar de bispos latino-am ericanos não figura com destaque nos debates do Concílio Vaticano II, foi uma experiência de aprend izado para eles.  Quando os bispos foi para casa para a América Latina, muitos tomaram um ol har mais atento a ordem social opressora em numerosos países da América Latina e do papel do igre a joga do em continuar nessa ordem 

            No final do verão de 1968, a Confer ência Episc opal Latino-Americano (CELAM) reuniu-se em Medellín, na Colôm bia, com o objet ivo de aplicar os conc eitos do Concílio Vaticano II  para a América Latina.  O resu ltado foi um docu ento que acabaria por ser a base para Teologia da Libertação  e dar a autor idade bacharel em teologia da igreja a se envolve rem na mu dança social. Gustavo Gutiérrez, um proeminente teólogo da libe rtação, incito u a igreja para co meçar a falar da libertação, em vez de desenvo lvimento na resolução dos pro blemas enfrentados pela Amé rica Latina.  Desenvolvimento da Amé rica Latina não era o prob lema; opressão pelo governo e países do Primeiro Mundo foi.
            Quando do início da confe rência, curso de teologia a distancia foi uma ru ptura da tradição, porque os bispos aplicada a igreja para a sociedade, em vez de a soc iedade pa ra a igreja.   Em todos os documentos e discussões, a situação foi avaliada e, em s eguida, u ma reflexão teológica foi formado.   Finalmente, um compromisso pastoral para res olver o prob lema, tais como a cria ção de comunidades eclesiais de base, foi feita. 
            Durante a conferência, os bispos ch amado para os católi cos a denunciar a violência institucionalizada, prom ulgar a mud ança social, e realizar uma "conscientização" evangelismo.  Os bispos criticaram o imp erialismo inte nacional ea desigualdade entre as classes sociais e apelou a um compromisso com os pobres .   Os bispos insistira m que a viol ência estava err ado, mas às vezes necessário ao lutar contra a violência instituc ionalizada, como a viol ência atr avés do governo.   A Igreja Católica fez o documento Med ellín um docume nto oficial da Igreja. Embora a teologia da libertação nasceu de ssas idéias reconhecidas oficial mente, o docu mento Medellín não é um documento teologia da libertação.   Ele fez, no enta nto, estabelecer as bases, e desde então a teologia da libertação se des envolveu rapida mente na Igreja Católica latino-am ericana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário